Câmara de Propriá abre CPI para apurar supostas irregularidades do Prefeito Iokanaan Santana

por Mozzarth Almeida publicado 15/05/2020 00h19, última modificação 15/05/2020 00h19
De acordo com a Resolução da Mesa Diretora nº 001/2020, o prazo para que a CPI possa emitir a conclusão final será de até 60 dias

Na sessão ordinária desta quinta-feira, 14, o Plenário da Câmara Municipal instaurou uma Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar o Prefeito Municipal, Iokanaan Santana (PL), devido a circulação de áudios em grupos de WhatsApp, supostamente atribuídos a ele, onde, por meio de gravação de voz, o mesmo assume algumas irregularidades.

A abertura foi ocasionada por meio de requerimento formulado por quatro membros do parlamento, sendo eles: Jairo do Bairro Matadouro (MDB), Nego de Marli (MDB), Heldes Guimarães (PSD) e Dilma da Colônia (MDB), seguindo os pressupostos da Lei Orgânica Municipal, Regime Interno e demais dispositivos legais.

A CPI buscará apuração dos seguintes fatos: indícios de possíveis fraudes e irregularidades em cobranças de impostos e beneficiamento ilícito; abuso de poder e apropriação indébita; e, tráfico de influência na Administração Pública Municipal, falta de controle e cuidado com a coisa pública e dano ao erário, além de apurar responsabilidades quanto ao desvio de finalidade de conduta do prefeito municipal.

De acordo com a Resolução da Mesa Diretora nº 001/2020, o prazo para que a CPI possa emitir a conclusão final será de até 60 dias, prorrogáveis por igual período mediante justificativa. A mesma foi formada por três membros: Dilma da Colônia (presidente); Heldes Guimarães (relator) e Pequeno (membro).

error while rendering plone.comments